Condemned AD - new EP «Time Waits for No One»



Swedish Thrash Metal band *Condemned AD* released their new EP «Time Waits

for No One». The EP was recorded in "4 White Walls Studio", and
mix/mastered by Karlo Testen.



The band was formed in 1989 at Skoghall, Sweden by Mikael Klecken
(vocal/guitar). In 1992 the band released their debut EP «Until death ends
it all» but after some years playing together in 1994 the band split up,
because Mikael Klecken had a major depressive disorder. In 2015 a good
friend of the band asked Mikael  if they could temporary rejoin for his 40
birthday and do a gig at a local Rockbar, and they did with the new members
- Magnus Elvsen (bass) and Sebastian Elmlund (guitar).

Band:

Credits:

Posting: SRWINS


DIMMU BORGIR em São Paulo



Banda norueguesa ícone do metal sinfônico retorna ao Brasil para mostrar ao vivo 'Eonian', seu novo álbum de estúdio e sucessos da carreira.

O show em São Paulo será único e integra a turnê sul-americana que tem, na sequência, apresentações na Argentina (11/11, em Buenos Aires), Chile (13/11, em Santiago) e Colômbia (15/11, em Bogotá).

O Dimmu Borgir vem para promover "Eonian", seu novo disco, que será lançado em maio pela gravadora Nuclear Blast. Antes da América do_Sul, os temas do novo álbum serão tocados ao vivo na Europa e na América do Norte, alternadamente, entre junho e setembro.

Com dez faixas, "Eonian" tem canções como "Interdimensional Summit", "Council Of Wolves And Snakes" e "Lightbringer".

Formado há 25 anos, o Dimmu Borgir começou a chamar a atenção na cena do metal com o disco "For All Tid", de 1996, relançado e remasterizado no ano seguinte. Seguiram-se álbuns como "Godless Savage Garden" (de 1998), "Puritanical Euphoric Misanthropia" (2001) e "In Sorte Diaboli" (2007). O trabalho de estúdio anterior a "Eonian" é "Abrahadabra", que saiu em 2010. A formação atual tem o vocalista Shagrath (nome real: Stian Thoresen); e os guitarristas Silenoz (Sven Atle Kopperud) e Galder (Tom Rune Andersen Orre). 


Tropical Butantã, São Paulo - SP


Seu ídolo está mais perto do que você imagina!
Não deixe para a última hora! Comprando seu ingresso antecipadamente, você garante sua presença sem transtornos e pagando em até 12 vezes.
18+ entrada permitida para maiores de 18 anos
Proibida a entrada de menores de 18 anos
é obrigatório apresentação do documento de identidade


                                                                                                                               o show ocorre em    09 de Novembro de 2018
abertura da casa: 20h30
Postagem: SRWINS
Fonte: Ticketbrasil

InRaza lança single e videoclipe de ‘Sociexit’


Banda de metal paulistana é a primeira a assinar com o selo Electric Funeral Records; EP tem previsão de sair em dezembro deste ano
inraza
***

Electric Funeral Records, fruto da fusão das produtoras AbraxasCollapse Agency e Obscur., estreia no mercado fonográfico junto à banda paulistana de metal InRaza. Com o single ‘Sociexit’, que ganhou videoclipe e está disponível nas plataformas de streaming, o quinteto que tem à frente a vocalista Stephany Nusch alia agressividade e técnica em meio a melodias vocais em contraponto aos guturais. Ouça aqui: https://ONErpm.lnk.to/InRaza.

‘Sociexit’ é o segundo single da InRaza, em que exploram elementos do groove metal, thrash e hardcore, além da notória influência do metal moderno. “A música fala sobre como todos nós estamos suscetíveis a julgamentos e que ninguém é melhor que ninguém. O clipe transmite essa mensagem mostrando uma pessoa que está tão alienada no próprio mundo que não note as coisas acontecendo ao redor”, conta Steph. Já o vídeo pode ser conferido aqui: https://youtu.be/hNZmeu-ISjs.

A InRaza é novata, tem menos de dois anos de atividade, no entanto, já desperta o interesse na música independente nacional. O primeiro EP, conta Steph, está previsto para sair em dezembro pela Electric Funeral Records. “No geral, a resposta tem sido muito positiva. Conseguimos deixar as pessoas ansiosas pelo EP e todo dia recebemos mensagens da galera querendo saber mais”.
PESO BR - A potência de ‘Sociexit’ chamou a atenção da distribuidora de música digital Onerpm, que colou o single da InRaza como destaque na popular playlist PesoBr, junto a outras nove bandas da Abraxas Records: a recém lançada banda espanhola de stoner metal The Wizards, alpem da sludge Noala, e a garage punk War Industries Inc, entre outras. Confira: https://ONErpm.lnk.to/PESOBR.
***
efcccccccccccc


Electric Funeral Records
A Electric Funeral Records foi fundada em 2018 por Sylvia Süssekind e com participação de Felipe Toscano (Abraxas) e Guilherme Guerra (Obscur). Com foco em metal, metal extremo, hardcore e punk rock, o objetivo é promover e romper as barreiras de todos os tipos de música pesada e extrema.
“Acreditamos no poder da música e iremos colaborar com bandas e músicos que contribuam para a nossa causa. Desejamos fornecer ao público e ao artista uma forma única e diferente de se absorver arte”, afirma Sylvia. O selo atuará em distribuição de música, produção de eventos, booking de turnês (a partir de 2019) e loja virtual.
PROMO3
Crédito: Roberto Leandro Almeida
44661657 2216567515283335 306039415094902784 n
peso-inraza
***
tedesc id
Postagem: SRWINS

Scars - Thrash Metal pesado e bem trabalhado

SCARS-2018-LINE-UP-750x400_BLACK LEGION PRODUCTIONS.jpeg
A veterana banda de Thrash Metal Scars, retorna a ativa após um hiato que durou mais de uma década. Após o disco “Devilgod Alliance”, os Thrashers paulistanos encerraram suas atividades. Passado muitos anos após a ruptura e ainda a legião de fãs continua enorme. Após fazerem uma campanha para a volta do conjunto, em um grupo para sua homenagem nas redes sociais, a banda resolveu que era hora de  anunciar  volta de forma definitiva.
“Nós do SCARS, neste momento muito especial para cada um de nós, queremos agradecer a todos que estiveram envolvidos, de uma maneira ou outra, grande ou pequena, na preparação do retorno do SCARS à cena Metal, mostrando seu contínuo suporte e carinho para que o retorno fosse inevitável e memorável. Temos a resguarda da Black Legion Productions como nossa assessoria para que a volta seja feita da maneira mais profissional possível. Temos certeza que essa parceria trará muitos frutos. Obrigado a todos e nos vemos na estrada! SCARS!!”
Além de anunciar o retorno, a banda também prepara o lançamento novo material, dois singles que irão preceder o novo disco, previsto para o ano de 2019. As faixas “Armageddon” e “Silent Force” tem previsão de lançamento ainda este ano e mostrará a força do novo line-up do Scars, agora composto por três de seus membros originais Régis F. (vocal), Alex Zeraib (guitarra) e João Gobo (bateria), juntos com Edson “Teacher” Navarrette (guitarra) e Marcelo Mitché (baixo).

Scars_Armaggedon.jpg

A faixa “Armageddon” encerrará a trilogia iniciada nos dois discos anteriores, que começou com  o inferno em “The Nether Hell” e teve sequencia com a  ruptura de Deus e Lúcifer em “DevilGod Alliance”. Desta vez a banda  retratará a criação do inferno, a batalha celestial e a queda de Lúcifer. Para marcar esse lançamento será lançado uma tiragem especial de camisetas para o novo material, além de camisetas em homenagem aos 15 anos do disco “Nether Hell”,  pela True Metal Records & Distro.
Para marcar este retorno, Alex Zeraib e Régis F concederam uma entrevista exclusiva ao portal Metal na lataonde relatam os motivos do seu retorno, seus planos para o futuro e a nova formação da banda.

Assista ao vídeo que a banda anuncia a nova formação:


--
-----
Créditos: Alex Chagas
(24)3321-1333 / (24)999741934
Postagem: SRWINS

DESTRUCTION 23/09/2018 ESPAÇO 555 SÃO PAULO

Reportagem e Fotos: Victor Denardo

No dia 23 de setembro, o Espaço 555, em São Paulo, foi palco de mais uma apresentação dos alemães do Destruction. O show fez parte da turnê de divulgação de seu mais recente álbum, Thrash Anthems II, lançado em 2017. 
Para os shows no Brasil, a veterana banda contou com a Nervosa como banda de apoio. E as meninas não decepcionaram. Há alguns meses, escrevi, neste mesmo espaço, que este seria o ano da Nervosa. Hoje, depois de um bem recebido álbum, uma bem-sucedida turnê europeia e prestes a embarcarem em uma tour pela américa latina, digo sem sombra de dúvidas: a Nervosa está entre as principais bandas brasileiras da atualidade. Olhando de fora, este show em São Paulo me pareceu uma espécie de comemoração pelas diversas conquistas da banda até aqui. O público, percebendo o clima de celebração, participou de cada minuto. No repertório, sons como Masked Betrayer, Kill the Silence e a atualíssima Never Forget, Never Repeat fizeram o Espaço 555 vir abaixo.


























Após a apresentação furiosa da Nervosa, o Destruction mostrou porque é considerado uma lenda do Metal alemão. Poucas bandas fazem um show tão intenso quanto esses caras. Schmier (baixo/voz) tem uma das mais fortes presenças de palco do thrash. Ainda que sua voz não seja a mesma dos tempos áureos, não há como negar que o cara sabe como comandar um show (às vezes até exagerando na dose, conforme veremos à frente; mas isso não tira seu mérito). Mike Sifringer destroça qualquer pescoço com seus riffs infernais e o batera, Randy Black, que estava fazendo sua estreia por aqui, esmurra seu kit como poucos. Iniciaram de maneira sensacional, com o clássico ‘Curse the Gods’. No entanto, alguns problemas no vocal fizeram com que Schmier desse um senhor esporro em sua equipe. Até aí, tudo bem. 























O problema é que o vocalista, num acesso de fúria, mandou “umas bicas” nas caixas de retorno, derrubando-as do palco (por pouco não acertaram a turma que estava fotografando do pit). Tudo bem que a banda teve problemas com a companhia aérea (a qual o vocalista fez questão de ‘homenagear’) e, segundo consta, não dormiu direito, mas não justifica o estrelismo, certo? 
Resolvido o problema, o show prosseguiu sem maiores intercorrências. Durante Nailed to the Cross, a participação do público foi algo digno de vídeo clip, com o  refrão sendo entoado em uníssono. Seguiram com o clássico Mad Butcher, Eternal Ban e a música que provavelmente me fez entrar de cabeça nesse lance de Metal extremo, Total Desaster. A essa altura, passei a observar com admiração a performance de Mike. 

























O guitarrista parecia estar alheio a toda a animação da plateia, tamanha a concentração em seu instrumento. De vez em quando, levantava um polegar em agradecimento junto com um sorriso de canto de boca, quase envergonhado. O contraste de personalidades aqui é visível: de um lado, Schmier e seus ‘faniquitos’ (aliás, quem puder procure um vídeo em que ele é atingido por uma bola de plástico, dessas de criança, acho que na Colômbia. Mano, Neymar perde), de outro Mike e sua timidez quase oriental. Apesar das diferenças, quando estão no palco, o time se completa de tal forma que fica difícil acreditar que se trata de um trio, tamanho o caos sonoro que são capazes de proporcionar. 






















A desgraceira continuou com Antichrist, Black Mass (essa inédita no Brasil) e Thrash Attack. Para o bis, uma sequência de arrancar lágrimas do mais true dos headbangers: Thrash till Death, Invincible Force e Bestial Invasion. Já estive em uma meia dúzia de shows do Destruction e posso dizer que esse figura entre os melhores que vi da banda.


Postagem: Leo Wacken

Resenha Setembro Negro Festival - Carioca Club, São Paulo 29 - 30/09/2018.

Reportagem: Leo Wacken
Fotografias: Leca Suzuki

O primeiro dia do festival ficou marcado por manifestações contra o candidato à presidência da republica “Jair Bolsonaro” no lago da batata, onde a rua que se encontra o local do evento esteve fechada, impossibilitando a chegada de muitos headbangers que estavam de carro, inclusive eu tive que deixar o meu carro muito longe dali, mas fora esse imprevisto, ocorreu tudo bem e pude chegar no horário.

Mas vamos ao que interessa. 

Após longos anos de espera e sua última edição em 2012, a produtora Tumba Produções esteve de volta para realizar um dos mais cultuados festivais de Thrash/Death e Black metal de São Paulo.

Sábado 29/09



As portas do Carioca abriram pontualmente às 13:00 hs para o conforto do público, onde já podíamos avistar algumas barracas montadas com merchandising de diversas bandas, discos, Cds e camisetas.
Já a abertura ficou por conta da banda de Death Metal Brasiliense Human Atrocity que em 2015, teve o lançamento de sua Demo intitulado “Crowded Tombs”.

Set-List:

Stench of Death
Human Atrocity
Mutilation
The Scream
Countless Graves



Na sequência foi à vez dos Recifenses do Infested Blood com seu estilo Brutal Death Metal atingir o público presente. Banda que teve sua formação em 1999 e tem quatro discos lançados até o momento.

Set-List:

Infernal Eneity
Mind Flayers
Suffocation – cover: Infecting the Crypts
Iron Duke
DemonWeb Pits
My Rigid Anatomy
Victims of the Dualism



A próxima banda a se apresentar foi Purgatory, banda de Death Metal da Alemanha formada em 1993, com suas letras baseadas em satanismo, horror e escuridão, fizeram um excelente e bem pesado show pra ninguém botar defeito em músicas como: “Devouring the Giant”, “Chaos, Death, Perdition”, “Pandemonium Rising”, “Consumed by Ashes” entre outras.

Set-List:

Devouring the giant
Chaos. Death. Perdition
Pandemonium rising
Downwards into Unlight
Codex Anti
Spreading the Plague
In Damnation Eternal
Consumed by Ashes
Death World Struggle



Já os Noruegueses do Aeternus subiram no palco para tocar grandes sons de sua carreira no Black Metal com um setlist destruidor que foram “There’s no Wine Like the Blood’s Crimson”, “Burning the Shroud”, “The Swordof Retribution”, “Boudica”, “Sword Revenge” e “Raven and Blood”. 
Set-List:
There’s no Wine Like the Blood’s Crimson
Burning the Shroud
The Sword of Retribution
Boudica
Sword Revenge
Raven and Blood



A sexta banda a se apresentar no festival e também da Noruega, foi Taake que esta desde 1995 no cenário Black Metal levando o público ao êxtase. Para este show, pudemos conferir um setlist matador com vários clássicos “Jernhaand”, “Nordbundet” e “Havet I Huset”, “Fra Vadested som Vaandesmed”, “Umenneske”, “Hordaland Doedskvad” e “Nattestid Ser Porten Vid”.

Set-List:

Jernhaand
Nordbundet
Havet i Huset
Fra Vadested som Vaandesmed
Umenneske
Hordaland Doedskvad
Nattestid Ser Porten Vid



Em seguida uma das maiores lendas vivas do Death Metal brasileiro desde 1981 Vulcano subiu ao palco erguendo a bandeira do metal nacional, onde recentemente lançaram um Álbum Ao Vivo intitulado “Live III - From Headbangers to Headbangers” contendo clássicos de toda sua trajetória como “Guerreiros de Satã” que os bangers presentes puderam conferir.

Set-List:

The Man, The Key, The beast
Church at a Crossroad
Witche’s Sabbath
Propaganda and Terror
Thunder Metal
Total Destruição
Guerreiros de Satã
Legiões Satânicas
Dominions of Death
Spirits of Evil
Ready to Explode
Holocaust
Incubus
Death Metal
Bloody Vengeance



Finalmente, após um longo tempo de espera, muitos fãs brasileiros da música Obscura realmente puderam ter a oportunidade de ver o show do Coven em nosso País. A banda de origem americana, liderada pela vocalista Jinx Dawson em mais de 40 anos na estrada, desembarcou pela primeira vez no Brasil para um show com um setlist magnífico contendo grandes clássicos de sua carreira. No início do show houve um grande suspense, Jinx sai de dentro de um caixão com uma máscara cantando “Out of Luck”, na sequência “Black Sabbath”, “Coven in Charing Cross”, “White Witch of Rose Hall” e “Wicked Woman”, deu pra perceber o quanto ela estava feliz em tocar aqui, pois o público respondia a altura cantando todas as músicas como “The Crematory”, “Choke, Thirst, Die”, “Black Swan”, “Dgnitaries of Hell” enlouquecendo a todos e terminando com um Biss de alta performance “F.U.C.K”, “Epitath” e “Blood on the Snow”.

Set-List:

Intro
Out of Luck
Black Sabbath
Coven in Charing Cross
White Witch of Rose Hall
Wicked Woman
The Crematory
Choke, Thirst, Die
Black Swan
Dignitaries of Hell
F.U.C.K.
Epitaph
Blood on the Snow



E para encerrar com chave de ouro, foi à vez dos canadenses mandarem seu Thrash Metal anos 80, posso dizer que assim como Coven, acabou a espera para ver Razor pela primeira vez e em São Paulo para uma única apresentação. Foi um show destruidor, onde o público não parava e o Circle Pit era gigante em Clássicos como “Cross me Fool”, “Iron Hammer”, “Violent Restitution”, “Cut Throat”, “Behind Bars”, “Sucker 4 Punishiment” e “Instant Death”. Foi uma na sequência da outra, só porrada na orelha sem parar e os bangers querendo mais e mais gritando o nome RAZOR... RAZOR... RAZOR, antes da próxima música Mike Campagnolo perguntou, “Vocês querem mais?”, então destruíram com “Eletric Torture”, “Parricide”, “City of Damnation” e “Take This Torch” para ninguém ficar parado. Dave Carlo apesar de ter problemas em sua visão por quase ser cego, fez uma performance matadora agitando os bangers para o Biss que foram “Evil Invader” e “Gate Crasher” fazendo a espera valer a pena.

Set-List:

Cross me Fool
Iron Hammer
Violent Restitution
Cut Throat
Behind Bars
Sucker for Punishment
Instant Death
Hot Metal
Electric Torture
Parricide
City of Damanation
Take this Torch
Evil Invaders
Gate Crasher

Domingo 30/09



Dessa vez, um pouco mais tarde e sem imprevistos na cidade como já citei no começo da matéria, as portas do Carioca se abriram as 14:00 hs para mais um dia de culto ao metal que por sua vez trariam bandas renomadas e de peso.
A primeira banda do dia a se apresentar foi Manger Cadavre? formada em 2011 no Vale do Paraíba em São Paulo com uma pegada Hardcore e Crust lançaram seu último EP em 2017 intitulado “Revide”, fizeram um excelente show.

Set-List:

Abril Vermelho
O Homem de Bem
Fracasso
Suas Escolhas Fazem Você
Totalitarismo Social
Iguais a Nós Mesmos
Existimos
Lago de Almas
Crimideia
Déspota
Origem
Hostil
Patologia Sistêmica



Em seguida os Recifenses do Decomposed God fizeram um grande show mostrando que o Death Metal esta mais vivo do que nunca e que vem defendendo esse estilo desde 1994 com três discos lançados “The Last Prayer”, “Bestiality” e “Storm of Blasphemies”.

Set-List:

Intro
Decomposed God
No Gods
Kill the Bastard
Delusion
Ecce Homo
Memorial Rests
Impregnated God of Lies
Hypocrite Liar



Na sequência subiu ao palco uma das maiores lendas do Black Metal nacional, estou falando de Amen Corner que esta na ativa desde 1992 mostrando aos fãs tanto antigos quanto da nova geração todo seu potencial executando um excelente show.

Set-List:

Leviathan Destroyer
Heir of Lust, Heir of Pleasure
Black Thorn
Deusdemoteme
Under the Whip and the crown
Lamentation and Praise
Diabolic Possession
The Sons of Cain



E não parou por aí, pois os Belgas do Enthroned entraram em cena mostrando que o Black Metal estava no comando naquele momento deixando os fãs totalmente satisfeitos com um show extremamente pesado e bem técnico.

Set-List:

Of Shrines and Sovereigns
Baal al-Maut
Through the Cortex
Ha Shaitan
Behemiron
Nonus Sacramentum – Obsidium
The Burning Dawn
Tellum Scorpionis
Of Feathers and Flames
Hosanna Sathana



Os Americanos do Morbid Saint entraram no palco executando um Thrash Metal com linhas de vocais agressivas com seu vocalista “Cliff Wagner”, pois o cara realmente usa sua garganta agressivamente executando de forma excelente suas canções em um show extremamente rápido em termos de Riffs de guitarra e uma bateria Speed, deu pra perceber o motivo de tantos fãs estarem enlouquecidos no show abrindo rodas e Circle Pit.

Set-List:

Lock up your Children
Burned at the Stake
Scars
Crying for Death
Assassin
Conjure
Beyond the Gates of Hell
Damien



A próxima banda a se apresentar foi a Austríaca Schirenc Plays Pungent Stench, uma das mais influentes do Death Metal anos 90 em seu país. Eles executaram um grande show com um setlist recheado de clássicos como “Fuck Bizzare”, “Happy Re-Birthday”, “Deadly Medley”, “Bonesawer” e “Rip You Without Care” agitando muito o público presente que cantava sem parar, ainda mais com um Biss envolvendo “Blood, Pus and Gastric Juice” e “Viva La Muerte”.

Set-List:

Fuck Bizarre
Happy Re-Birthday
Deadly medley
Bonesawer
Rip You Without care
A Small Lunch
Extreme Deformity
Shrunken and Mummified Bitch
Blood, Pus and Gastric Juice
Viva La Muerte    



A penúltima banda da noite foi Wolfbrigade que na minha opinião, foi uma das melhores se não a melhor da noite com Riffs de guitarra destruidores e uma linha de bateria extremamente sincronizada com o baixo, mandaram um setlist direto com “March of the Wolves”, “Normad Pack”, “Living Hell”, e “No future”. Vale destacar o vocal bem agressivo nas músicas bem executadas como no Biss “Outlaw Vagabond”, “Warsaw Speedwolf” e “Ride the Steel”.

Set-List:

March of the Wolves
Feed the Flames
Catch 22
War on Rules
From Beyond
November’s Delerium
Nomad Pack
Living Hell
Return to None
Barren Dreams
No Future
Outlaw Vagabond
Warsaw Speedwolf
Ride the Steel



O fechamento do evento ficou por conta dos Suecos do At the Gates formado em 1990 com seis discos lançados, sendo o último “To Drink from the Night Itself” 2018, trazendo um Death Metal Melódico com uma linha de vocal bem trabalhada e Riffs de guitarras marcantes em músicas como “To Drink from the Night Itself”, “Slaughter of the Soul”, “At War With Reality”, “A Stare Bound in Stone” entre outras. Foi um show pra ninguém ficar parado e deu pra ver varias rodas se abrindo na medida do que o show ia rolando, ainda mais quando tocaram “Suicide Nation”e “The Book of Sand”. Foi um show empolgante tanto para a banda quanto para os fãs que ainda puderam conferir um Biss destruidor com “Kingdom Gone” e “The Night Eternal” deixando todos os fãs presentes bem satisfeitos.

Set-List:

To Drink From the Night Itself
Slaughter of the Soul
At War With Reality
A Stare Bound in Stone
Cold
The Circular Ruins
Death and the Labyrinth
Daggers f Black Haze
Under a Serpent Sun
The Chasm
Heroes and Tombs
Nausea
Suicide Nation
The Book of Sand
Blinded by Fear
Kingdom Gone
The Night Eternal

Em nome da Rádio Exmera, gostaria de agradecer ao Edu, Tumba Produções e Luciano Piantonni pela oportunidade de cobertura e ressaltar o excelente trabalho da produção e organização deste excelente evento, principalmente com os horários das bandas entrarem no palco, que realmente estavam dentro do horário programado no livrinho entregue na entrada do evento.

Postagem: Leo Wacken