Entrevista do PÓSTUMA para o site da Rádio Exmera



Repostas por: Beatriz da Aldea Entrevista por: Aline 

 Hoje a Rádio Exmera conversa com exclusividade com a banda paulista PÓSTUMA. Primeiramente, muito obrigado pelo tempo cedido e queremos começar esse bate-papo com aquela pergunta padrão, fale um pouco sobre a história da banda, discografia e atual formação. 

  Olá, primeiramente obrigada por essa oportunidade e espero que gostem do conteúdo. 

 A banda teve início em 2017 depois do baterista Murilo Pasqualino e do baixista Diego Carmelo decidirem montar uma banda nesse estilo Death Metal melódico unindo som pesado com uma lírica filosófica. 

 Eles iniciaram as composições com dois guitarristas (Julio Alves e Alisson), baixo (Diego) e bateria (Murilo), mas sem vocalista. 

 Em 2018 me convidaram para entrar na banda e me deram liberdade para compor e criar as letras. 

 Durante os ensaios e o preparo para as gravações o guitarrista Alisson saiu da banda e no lugar dele entrou o Rodrigo Batista e a partir daí formou - se a Póstuma de hoje. 

 Em 2020 lançamos nosso EP de estreia intitulado “Moralis”, contendo 4 faixas inéditas das músicas “Prometheus”, “Minerva”, “Redemption” e “Gaya”. Fizemos o show de lançamento do EP em Março de 2020 em Americana, mas infelizmente 2 semanas depois estourou a pandemia e os demais shows foram cancelados. 

 Em Agosto de 2021 lançamos um single inédito com videoclipe da música “Remission”. 

 E agora em Agosto desse ano de 2022 vai ser lançado mais um single com videoclipe da música “Delphi”. 

 Todas as musicas da Póstuma você encontra em todas as plataformas digitais (Spotify, Youtube, etc..). 

 Mesmo tendo iniciado os trabalhos em 2017, a banda lançou seu primeiro apenas no ano de 2020. Qual foi o principal motivo desse tempo para o lançamento? 

O principal motivo foi a troca dos guitarristas, da mesma forma que me deram total liberdade de criação das letras demos a mesma liberdade para o Rodrigo quando ele entrou. Ele pegou as nossas musicas e acrescentou ideias dele, criou novos arranjos e novas possibilidades. Essa nova dinâmica foi muito importante para a evolução das nossas músicas, mas levou um certo tempo a mais para finalizar o projeto. 

“Moralis” é um EP extremamente técnico e ao mesmo tempo brutal. Conte-nos, quais as principais influências da banda para compor esse material? 

Temos muita influência de bandas como At The Gates, Arch enemy e o Death. Sempre fomos fãs de bandas da Escandinávia e executar esse estilo musical mostrava-se como a uma verdadeira quimera a primeira vista, mas para nós é um incentivo explorar todo esse tecnicismo e lírica que uma banda de Death Metal propõe. 

 Aproveitando a pergunta, como vocês acham que foi a repercussão deste material, tanto do público, quanto da imprensa especializada? Vi que muitas resenhas pipocaram nas redes sociais. 

Realmente a repercussão foi ótima, apesar de todos os imprevistos da pandemia e as incertezas pudemos aproveitar muito a divulgação nas redes sociais, nossos parceiros como Patrick da Sangue Frio Produções fizeram um ótimo trabalho ao nosso lado, os festivais virtuais que rolaram foram muito importantes, enfim, ficamos muito felizes com todo o retorno positivo que tivemos da imprensa, dos fãs e de todos que escutaram nosso material.

“Remission” mostra que a banda está em uma constante evolução. Vocês acreditam que essa afirmação está correta? Se sim, a que se deve essa evolução? 

Com certeza estamos sempre tentando melhorar e aprimorar nossas ideias e acredito que todos da banda entregam todo o potencial criativo que tem para fazer o melhor sempre. 

 Nós testamos muitas ideias, experimentamos novos conceitos, aceitamos desafios para entregar um material diferente e que se destaque em criatividade e qualidade. 

O videoclipe para esse single foi extremamente bem produzido. Como foi trabalhar nesta gravação e produção? 

Esse clipe para mim foi uma experiência única, o pessoal da Last Mosh Filmes são amigos de longa data e o trabalho deles é impecável. Eles são muito assertivos e tem muito conhecimento, então o trabalho da banda foi confiar neles e se divertir nas filmagens. 

Nós conversamos sobre as ideias iniciais com o Claudião (produtor da Last Mosh), demos algumas referencias, mas a mágica ficou por conta dele e o resultado ficou excelente, ficamos orgulhosos. 

E alguns fatos curiosos do clipe é que nas gravações eu estava grávida de 4 meses do meu segundo filho e tem algumas cenas que as mãos do meu filho mais velho aparecem, então a família estava em peso nas gravações (risos). 


 E quando o público do PÓSTUMA poderá receber um novo EP ou quem sabe até um full length? Poderia dar uma previsão em primeira mão aos nossos leitores? 

Já temos uma grande novidade para o próximo mês, uma música inédita com videoclipe sensacional e nossas músicas para um full já estão quase todas prontas e pretendemos lançar em 2023... Aguardem, que vem pedrada! 

E para o futuro? Quais os demais planos? A banda acredita que uma turnê pela Europa poderia estar nessa rota? Uma vez que sinto que o velho continente é um berço riquíssimo do Melodic Death Metal.

 Agora que os shows e os encontros normalizaram estamos voltando aos palcos, com alguns shows já marcados e outros em negociação ainda. Então estamos trabalhando para a gravação do full, fechando shows para continuar o trabalho de divulgação da banda que deu uma pausa por conta da pandemia e criando novos materiais. 

Nossa meta é chegar na Europa, claro, mas por enquanto vamos focar nosso trabalho aqui no Brasil, para fortalecer a cena aqui também, pois aqui tem um publico muito grande e fiel. 

 Mais uma vez, muito obrigado pela entrevista, esperamos poder conversar mais vezes num futuro próximo, quem sabe visando divulgar o novo álbum. Deixamos este espaço para as considerações finais. 

Em nome de todos da Póstuma, agradeço imensamente o espaço cedido para conversar e divulgar nosso trabalho, obrigada a todos que nos acompanham e que curtem nosso trabalho. 

Se você ainda não conhece a Póstuma acesse nossas plataformas digitais Site oficial:









 PÓSTUMA É: 
Beatriz da Aldea – vocal 
Júlio Alves – guitarra 
Rodrigo Batista – guitarra 
Diego “Bob” Carmelo – baixo 
Murilo Pasqualino  – bateria
Postagem: SRWINS
Créditos: Aline 

Assessoria: Sangue Frio Produções

Black Reuss lançou novo álbum

A banda lichtensteiniana melódica gótica/doom metal *Black Reuss* lançou seu novo álbum "Journey".

O álbum foi gravado no estúdio da banda, e produzido por Maurizio Dottore. 
Mixado por Roberto Macis em "Solid Twin Studio", e master de Giovanni Versari no "La Maestá Studio". 

 https://open.spotify.com/album/7zcZjxKJPjtnwlaxfWPAKA 

*Black Reuss* foi formada em 2018 em Triesen, Liechtenstein por Maurizio Dottores como um projeto de um homem só. 
O nome da banda é originário do rio Reuss, um rio suíço que nasce no maciço de Gotthard, no meio da Suíça, onde Maurizio viveu durante a composição do álbum de estreia da banda "Metamorfose", que foi lançado em 2021. 

 Postagem: SRWINS 
Créditos: GlobMetal Promotions 

MARENNA LANÇA NOVO E MARCANTE SINGLE!

A gravadora dinamarquesa Lions Pride Music disponibilizou recentemente “Breaking The Chains”, primeiro single de “Voyager”, novo e audacioso quarto álbum de estúdio de uma das mais promissoras, relevantes e importantes bandas de Hard Rock/Melodic Rock brasileira na última década: os gaúchos do MARENNA.

“Voyager”, quarto álbum do quinteto, que será lançado dia 30 de setembro em CD físico e streaming, trará 11 composições (e um bonus track exclusivo para a edição física europeia) transbordando energia e identidade somadas a uma produção cristalina e atual. “Breaking The Chains”, faixa de abertura, representa muito bem essa nova fase mais madura que a banda vem desenvolvendo nos últimos anos, e traz a pegada marcante do DNA conciso do Marenna inserido numa mescla bem equilibrada de elementos pesados do Heavy Metal e Melodic Rock em altas doses de melodia.

Confira “Breaking The Chains” em:
https://youtu.be/Q9vTsCByJ58

“Breaking The Chains” consolida a atual formação da banda solo de Rod Marenna (vocalista/líder), com destaque para o trabalho de arranjos, guitarras bases e produção musical encabeçados por Mauro Caldart, parceiro de longa data de Rod em outros trabalhos, bem como a estreia de Edu Lersch na guitarra solo. Sua temática aborda crenças limitantes que põem em xeque a perseverança e a resiliência do indivíduo, com estrofes bem densas e um refrão altamente melódico e forte para se cantar junto.

E os fãs gaúchos terão a sorte de conferir a estreia de “Breaking The Chains” ao vivo no show que o MARENNA fará como banda de abertura para o SHAMAN, no Bar Opinião, Porto Alegre, no dia 22 de maio, a partir das 18h30.

Ingressos à venda pelo Sympla em:
https://tinyurl.com/y42m43cb


A energia e refrões tipicamente anos 80 e a sonoridade influenciada pelas grandes bandas do passado, e também, presente, faz de “Voyager” ser um dos mais aguardados álbuns desse ano.

O tracklist de “Voyager” é:

01- Breaking The Chains
02- Out Of Line
03- Gotta Be Strong
04- Wait
05- I Ain’t Stranger To Love
06- Hold Me
07- Perfect Crime
08- Voyager
09- Too Young To Die
10- We Are United
11- Wherever You Go
12- So Close (Hall & Oates Cover) (Bonus Track)

Mixado e Masterizado por Jonas Godoy (Linha Sonora Estúdios – Caxias do Sul/RS)
Produzido por Mauro Caldart
Produção Vocal por Arthur Appel
Arte de capa por Tiago Medeiros (TM Artwork)

Músicos Adicionais:

Mauro Caldart – Guitarras rítmicas em todas as faixas e solos nas faixas 2, 5, 7, 10 e 12.
Bruno Pinheiro Machado – Guitarra solo na faixa 6
Rodrigo Flausino – Guitarra solo na faixa 8

Vocais Adicionais:
Arthur Appel, Jonas Godoy, Mauro Caldart e Leandro Moretty

“Iniciei o processo de composição ainda em outubro de 2019, e hoje é dia de celebrar, pois chegamos até aqui, 30 meses depois, com esta prévia do que será o nosso melhor trabalho até agora. “Voyager” foi gravado a distância, parte em Caxias do Sul e parte em Porto Alegre durante toda a instabilidade do cenário de pandemia entre dezembro de 2020 e fevereiro de 2022. Acredito que consegui reunir as melhores músicas e trabalhar com o melhor time, da forma mais eficiente e viável possível. Mesmo tudo sendo feito a distância e coordenado por whatsapp, o resultado superou todas nossas expectativas, que são as melhores para esse lançamento, e esse sentimento não tem preço. Motivação pessoal, planejamento, boa comunicação e um relacionamento fluido, livre de egos, deram espaço para o que temos nestas 12 faixas. Viva a música pesada brasileira!”, comentou Rod Marenna.

Confira ‘teaser’ de todas faixas de “Voyager” em:
https://youtu.be/vxcu3pWQ20k

Pré-venda (digital e CD físico importado) em:
www.catapultdistribution.com/magnet/Marenna/Voyager

A banda ainda está a procura de parceiros e/ou gravadoras para o lançamento físico no Brasil.

Mais informações:

A banda MARENNA, formada em 2014 e liderada pelo experiente vocalista/compositor com mais de 25 anos de carreira Rod Marenna, aposta no Melodic Rock e produz uma mescla híbrida entre o Hard Rock Clássico e o AOR (estilo mais comercial, voltado para adultos, badalado nas Rádios FM e novelas das décadas de 80 e 90) em produções modernas e cristalinas. Incorporando camadas melódicas de teclados, guitarras e vocais, e trazendo em suas composições situações da vida cotidiana moderna, destacadas por mensagens de otimismo, resiliência e fé, sua missão é de resgatar os melhores dias do Hard Rock Melódico. Sua rica discografia está disponível em todas plataformas digitais e também na versão física.

Para fãs de: Whitesnake, Skid Row, Dokken, Def Leppard, Journey, Bon Jovi, Eclipse, H.E.A.T.

Discografia:

“My Unconditional Faith” (EP/2016)
“No Regrets” (Álbum/2016)
“Livin’ No Regrets” (Live) (Álbum/2018)
“In Your Face” (Acoustic Live) (Álbum/2021)
“Pieces Of Tomorrow” (EP/2021)
“Voyager” (Álbum/2022)

Formação:

Rod Marenna – Vocais/Backing Vocals
Luks Diesel – Teclados/Backing Vocals
Edu Lersch – Guitarras
Bife – Baixo
Arthur Schavinski – Bateria/Backing Vocals

Ouça MARENNA em:

Spotify: https://spoti.fi/3Ke4Rst
Deezer: https://bit.ly/3j6LVzM
Amazon: https://amzn.to/3jaNvAB
Apple Music: https://apple.co/3jaNxsd

Mídias Sociais:

Site: www.marennaonline.com
Facebook: www.facebook.com/marennaofficial
Instagram: www.instagram.com/marennaofficial
Youtube: www.youtube.com/marennaofficial
LinkTree: https://linktr.ee/marennaofficial

Foto por Roger Clots

Postagem: SRWINS EXMERA

Créditos: JZ Press

JZ Press
“Sua arte em evidência!”
E-mail: jzpress@metalnalata.com.br
Facebook: www.facebook.com/jzpressassessoria
Instagram: www.instagram.com/jzpressassessoria

Resenha Steve Grimmet´s Grim Reaper – Lá Salsa, São Paulo - 23/04/2022.

Reportagem: Leo Wacken

Fotos: André Santos

Após pouco mais de dois anos de espera para um evento devido pandemia do (Covid-19), finalmente tivemos o prazer de prestigiar Steve Grimmet´s Grim Reaper, com certeza uma das maiores lendas da NWOBHM, além de convidados renomados como Night Prowler, Flagelador, Brave e Hellish War, neste último sábado 23/04/2022 onde a produtora Caveira Velha Produções esteve de volta para realizar uma grande festa do Heavy Metal em São Paulo. 


As portas do Lá Salsa abriram pontualmente às 16:00 hs para o conforto do público, onde podíamos avistar algumas barracas montadas com merchandising de diversas bandas, discos, Cds e camisetas.


Já a abertura ficou por conta da banda de Heavy Metal Paulistana Night Prowler que em 2018, teve o lançamento de seu álbum “No Escape...”, a banda subiu ao palco mostrando que o Heavy Metal dos anos 80 esta mais vivo do que nunca, uma banda que realmente vale a pena conferir, principalmente pela energia que transmitem ao vivo.




A próxima banda que se apresentaria no evento seria o Brave, porém houve uma troca pelo Flagelador, fui averiguar o real motivo e um dos produtores do evento me disse que a Vam que estavam Steve Grimmet, Brave e Hellish War estavam atrasados, pois no caminho do show que fizeram na noite anterior enfrentaram transito devido um acidente com um caminhão na estrada pelo Paraná.

Então na sequência foi à vez dos Cariocas do Flagelador com seu estilo Speed/Thrash Metal totalmente Old School cantado em português atingir o público presente. A casa já estava cheia, a cada música dava pra ver as rodas de mosh pit se formando, foi um show onde pela primeira vez, tocaram a música “Queimando nas chamas do Heavy Metal”, mas claro não poderiam faltar às clássicas “Ao Vivo no Inferno” e “Noite do Ceifador” que foi cantada pelo público em forma de coro.



O atraso persistiu por algumas horas, isso foi sentido pelo público que estava ansioso pelo show, então muitos aproveitaram para ficar fora do evento para tomar um ar, pois lá dentro é realmente muito quente com pouca ventilação, também estava rolando uma discotecagem muito boa por sinal e a galera estava agitando muito.



I
nfelizmente devido ao grande atraso no show a próxima banda a se apresentar foi o Brave, banda de Power Metal de São Paulo formada em 1998, quase no horário programado para o Steve Grimmet subir ao palco, atraso esse que levaria até o próximo evento “São Paulo em Chamas 59” após esse festival. Uma apresentação energética com suas letras baseadas em Guerras e Batalhas Medievais, fizeram um excelente e bem pesado show pra ninguém botar defeito com seu último álbum intitulado “The Oracle”.






Em seguida foi à vez Hellish War subir ao palco, banda formada em 1995 em Campinas, mesmo após muito tempo de atraso que levou a maioria das bandas diminuírem o setlist para que o evento não invadisse a madrugada atrapalhando o próximo fest, os caras já abriram com a poderosa “Wine of Gods”, do álbum com o mesmo título, mostraram que o Heavy Metal tradicional ainda esta em alta com um entrosamento das linhas de guitarras em rifs destruidores fizeram a galera banguear muito. Ainda pudemos conferir clássicos como “Destroyer”, “Defender of Metal”, “Metal Forever” e claro que não poderia faltar a lendária “We are Living for the Metal”. 


Foi uma Apresentação incrível e o público ficou muito satisfeito.



Finalmente, após um longo tempo de espera, muitos fãs presentes ali, mesmo com o atraso puderam ter a oportunidade de ver o show do Lendário Grim Reaper em nosso País. A banda de origem Inglesa, liderada pela vocalista Steve Grimmet em mais de 40 anos na estrada, dessa vez foi composta pela maioria dos músicos da banda Hellish War, “Vulcano nas guitarras, e Bil Martins com o Baixo”. E por volta da meia noite o público já estava enlouquecido cantando “Rock you to Hell”, turnê que foi dedicada aos três primeiros álbuns da banda que são aclamados por fãs brasileiros. Steve Grimmet sempre com um grande carisma, mesmo impossibilitado de ficar em pé na maioria das músicas devido não ter uma de suas pernas, não economizou energia e mandava clássicos atrás de clássicos como “Night of the Vampire”, “Lust for Freedom”, “Dead Arrival” e “Fear no Evil”. 



Ainda presenteou os fãs com uma um cover do Ronnie James Dio “Don’t Talk to Strangers” do icônico álbum “Holy Diver” dedicando ao amigo que infelizmente nos deixou em 2010. O público foi a loucura com essa música, inclusive eu que vos escrevo. 


E aproximadamente 01 hora da manhã para fechar com chave de ouro Steve anuncia o maior clássico de sua carreira, clássico esse que o público já estava pedindo, “See you in Hell” foi executado com maestria deixando os fãs em êxtase. 

Mesmo depois de todos os contratempos, ainda deu para a produção do Caveira Velha seguir com o outro evento São Paulo em Chamas 59.



Em nome da Rádio Exmera, gostaria de agradecer ao Alan Magno, Caveira Velha Produções pela oportunidade de cobertura e ressaltar o excelente trabalho da produção e organização deste excelente evento.


Steve Grimmett’s Grim Reaper - Set List  

1. “Rock You to Hell” 2. 

“Night of the Vampire” 

3. “Wrath of the Reaper” 

4. “Lust for Freedom” 

5. “Rock & Roll Tonight” 

6. “Suck it and See” 

7. “Liar” 

8. “Dead On Arrival” 

9. “The Show Must Go On” 

10. “Don’t Talk To Strangers” (Dio Cover) 

11. “Fear No Evil” 

12. “Lord Of Darkness” 

13. “Waysted Love” 

14. “See You In Hell”


Acompanhem o Facebook da Radio Exmera:

https://www.facebook.com/RadioExmera/

Postagem: Leo Wacken


Onslaught: ingleses confirmam tour no Brasil com NervoChaos e Uganga

 A lendária banda inglesa Onslaught, retorna ao Brasil em uma tour de comemoração de seus 40 anos. Ao lado dos ingleses estarão as bandas NervoChaos e Uganga (além de outras bandas escolhidas para cada região).


As datas da tour, por enquanto são:
06.07 – Rio de Janeiro/RJ @Areninha Carioca Hermeto Pascoal
07.07 – TBA
08.07 – Bauru/SP @jackmusicpub
09.07 – São Paulo/SP @Jaiclub *sem NervoChaos
10.07 – Limeira/SP @COI Fest

Formado em 1982 em Bristol/Inglaterra, o Onslaught começou fazendo Hardcore/Punk, e logo enveredou pelos caminhos do Thrash Metal. Sua discografia contém clássicos absolutos do Metal, como “Power From Hell” (1985), “The Force” (1986) e “In Search Of Sanity” (1989) – esse com o vocalista do Grim Reaper, Steve Grimmett. Mesmo os álbuns posteriores são considerados acima da média, como “Killing Peace” (2007), “Sounds Of Violence” (2011), “VI” (2013) e o mais recente, e bastante elogiado, “Generation Antichrist” (2020).

A formação do Onslaught conta com Nige Rockett (guitarra), David Garnett (vocal), Wayne Dorman (guitarra), Jeff Williams (baixo) e James Perry (bateria).

Assista o vídeo oficial de “Bow Down To The Clowns”:

 

O NervoChaos segue nas comemorações de seus 25 anos, divulgando seu novo álbum “All Colors of Darkness”, lançado neste ano, além do álbum de regravações, “Dug Up… Diabolical Reincarnations”, lançado em novembro do ano passado.

Já o Uganga, se prepara para lançar o sucessor de “Servus”, seu quinto álbum, de 2019. O vocalista Manu Joker integrou o Sarcófago no final dos anos 80, tendo gravado a bateria do clássico EP “Rotting”(1989) – hoje em dia ele lidera o Manu Joker & The Röttens.

 

Fonte: 89

Postagem: Leo Wacken